MATÉRIAS

 

O Sermão do Monte - Lição-02

LIÇÃO 2: OS DISCÍPULOS DE CRISTO SÃO O SAL DA TERRA E A LUZ DO MUNDO

 

TEXTO ÁUREO: "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus." (Mt 5.16)

 

LEITURA BÍBLICA: MATEUS 5.13-16

 

INTRODUÇÃO

O Sermão do Monte se inicia com a declaração das bem-aventuranças, nas quais o Senhor Jesus aponta as qualidades espirituais que constituem o caráter do verdadeiro súdito e herdeiro do reino dos céus. Em seguida, Ele pronuncia os próprios discípulos como participantes desta sorte ("bem-aventurados sois vós...", v. 11), particularmente no que respeita a como seriam perseguidos pelos homens por causa da justiça (v. 12). E agora, através das comparações estabelecidas no texto da presente lição, Cristo ressalta o outro lado dessa relação dos fieis com o mundo: se, por um lado, seriam odiados e perseguidos, por outro, seu exemplo em obras e suas palavras seriam alvo de grande atenção e interesse dos homens, como o foram as obras e palavras do próprio Mestre (cf. Jo 15.20). Assim veremos o que o Senhor espera de cada um de nós como representantes do Seu reino celestial perante o mundo.

 

I – O DISCÍPULO DE CRISTO É EXCELENTE COMO O SAL DA TERRA (MT 5.13)

As declarações "vós sois" são enfáticas e categóricas, como o são as bem-aventuranças, e determinam não o que todo o cristão pode, mas o que deve ser. Mas, tratando da comparação em si, quando Jesus diz que os discípulos são o sal da terra, dentre as muitas qualidades e utilidades deste mineral nos tempos de Cristo, e em nossos dias, pelo menos duas delas estão em vista neste contexto: o sal como tempero e como agente de preservação ou conservação. No primeiro caso, o Senhor Jesus quer dizer que o caráter de um verdadeiro cidadão do reino dos céus (tal como expresso nas bem-aventuranças) não apenas se distingue radicalmente dos demais homens, em seus pensamentos, motivações, propósito e obras; mas também é incomparavelmente melhor, excelente e o único que agrada a Deus e alcança a Sua aprovação (Rm 8.5-8) – assim como um prato temperado é distinto, mais saboroso e preferível a um prato insípido.

 

Em segundo lugar, a excelência de um caráter renovado não apenas é frutífera e benéfica para o que a possui, mas também para aqueles que não fazem parte do reino de Deus (cf. Mc 9.50; Cl 4.6). O mundo é corrupto e mau, mas os súditos do reino dos céus, que, apesar de não pertencerem ao mundo, estão nele como enviados da parte de Cristo (Jo 17.15-18), exercem poderosa influência santificadora, cada um em sua própria esfera de atuação e convivência com os homens, pondo freio à corrupção geral e ao desregramento do pecado na sociedade humana – assim como o sal preserva da corrupção natural e inerente aos alimentos em que é aplicado, retardando a sua degradação.

 

Contudo, resta uma temível exortação: se o cristão não possui ou perde essa excelência, deixando-se corromper e conformar pelos padrões do mundo (cf. Rm 12.1-3), em nada mais se distinguindo do comum da humanidade, sua condição é pior que a do incrédulo, e deve esperar por uma severa reprovação da parte de Deus (Hb 6.7, 8), assim como o sal que se tornou-se insípido, para nada mais presta.

 

II – O DISCÍPULO DE CRISTO É RELEVANTE COMO A LUZ DO MUNDO (MT 5.14-15)

A comparação seguinte, em que Cristo afirma que os discípulos são a luz do mundo, não é mais difícil de entender. O cristão não apenas participa de uma natureza espiritual excelente – obra da graça e poder de Deus entre os homens; mas também é importante e indispensável para o mundo, pois sem ele os homens estão completamente perdidos e sem esperança.

 

É da natureza da luz ser comunicativa, propagando-se e iluminando a todo o ambiente e aos que estão nele.

 

A luz dispersa as trevas, mostrando as coisas tais como são. Por isso é tão útil, mesmo indispensável, ao homem, se este quiser saber para onde vai e o que está fazendo. O mundo jaz em trevas, pois está do lado de fora do reino, nas "trevas exteriores" da ignorância acerca de Deus e da prática de obras infrutíferas e condenáveis (cf. Ef 4.18 e 5.11).

 

Não sabem para onde estão indo, nem para onde devam ir (1 Jo 2.11), mesmo com todo o avanço do conhecimento técnico, cultural, filosófico e moral (1 Co 1.21). Cristo, por sua vez, é a verdadeira luz do mundo, comunicando graça e verdade no conhecimento de Deus; logo, aqueles que o seguem recebem a mesma luz (Jo 8.12), tornando-se eles mesmos luz para os que ainda estão de fora (Ef 5.8). O discípulo de Cristo é uma referência para o mundo quanto a vontade de Deus e o caminho que leva à salvação (Fp 2.15) – como uma cidade iluminada em um alto monte, ou uma candeia acesa no alto de um velador.

 

O caráter santo de um cristão simplesmente não pode passar despercebido pelo mundo. É da natureza das coisas de Deus se contrastarem com as coisas terrenas e, com isto, ficarem em relevo. Nas palavras de Jesus: "não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte..." e "nem se acenda a candeia e se coloca debaixo do alqueire...", percebemos uma exortação a que não negligenciemos essa luz que foi acesa em nós, abafando ou fazendo pouco caso de nosso testemunho diante dos homens, mas entendamos que para isto o Senhor nos gerou de novo, e que uma luz oculta de nada serve.

 

III – O PROPÓSITO DA EXCELÊNCIA E RELEVÂNCIA CRISTÃ (MT 5.16)

O Senhor conclui esta breve seção do Seu discurso com uma prescrição muito prática àqueles que ele chamara de sal da terra e, agora, de luz do mundo: "assim resplandeça a vossa luz". Entenda-se: sejamos aquilo que devemos ser, agindo em conformidade com a nova natureza espiritual que Deus nos deu (Gl 5.25), cultivando e desenvolvendo aquelas qualidades implantadas em nosso caráter pela boa palavra de Deus, não nos conformando nem descendo aos padrões deste mundo, e isto em toda a nossa maneira de viver.

 

Somente seremos excelentes e relevantes para o mundo se o nosso testemunho for conhecido do mundo. Por isso a luz deve resplandecer diante dos homens e eles devem ver as nossas boas obras. Não se trata de exibicionismo, nem de ostentação de uma religiosidade exterior, mas é uma verdade clara nas Escrituras que o cristão deve dar testemunho ao mundo, tanto em palavras como por obras (Jo 13.34, 35; At 2.47; Fp 4.5). A mesma sociedade que nos persegue e nos odeia é a que deve ver as nossas obras e ser impactada pelo nosso testemunho, ora para ser confundida naquilo em que falam mal de nós, ora para reconhecer que Deus está conosco (1 Pe 2.11-12).

 

E assim chegamos à declaração do supremo propósito pelo qual o Senhor nos compara ao sal da terra e à luz do mundo – porque Ele nos fez participantes dessas bem-aventuranças que nos tornam excelentes e relevantes para o mundo – por causa da Sua própria glória. Se são as nossas obras que os homens devem ver, por outro lado são obras que nenhum homem jamais poderia fazer sem a graça de Deus (Jo 3.20, 21; Ef 2.8-10). Logo, são mais propriamente obras de Deus realizadas em nós ou através de nós, e é por isso mesmo que O glorificam (Jo 15.4, 8). O propósito de Deus é dar glória, não a nós, mas ao Seu próprio nome diante dos homens. E esse deve ser também o nosso propósito.

 

CONCLUSÃO

A exortação ilustrada nos versos que ora estudamos está em estreita ligação com as bem-aventuranças. Se somos daqueles que, pelo arrependimento e perdão dos pecados, fomos trazidos para fazer parte do reino de Deus, e agora declarados felizes, benditos, pois destinados a um grande galardão nos céus, então repousa sobre nós uma grande responsabilidade para com aqueles que estão de fora: como embaixadores do reino de céus, cabe a nós anunciar, tanto pela palavra como pela virtude da nova vida em Cristo, as boas novas de Deus a todos os homens.

 

 

ESTUDO BÍBLICO PARA ESCOLA DOMINICAL

DA ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTÉRIO GUARATINGUETÁ

 

Autor: Departamento da E.B.D. da Assembléia de Deus Ministério Guaratinguetá

Postada em: 04/01/2017

 

 

 

PEDIDOS

NOME

CIDADE / ESTADO

PEDIDO

TOP 10

1

Usa-me
Amanda Wanesa

2

Preço de Sangue
Sofia Cardoso

3

Use o Que Você Tem
Denise Batista

4

Marcha Exército
Felipe Fark

5

Santificai
Katia Costa

6

Validade
Rebeca Carva

7

O Convite
Wesley Ielsen

8

Adorador é o Que Sou
Mara Linhares

9

Inevitável
Ewanes Marques

10

Ele é Deus
Jossana Glessa

 

 

PARCEIROS